Notícia

Rio +20 – Dia 15/06 – Transformações para uma Nova Economia que busque Prosperidade

Olá amigos do Instituto Nossa Ilhéus!

Desde hoje (15/06/2012) estou participando da Rio +20 e considerando este um evento de extrema relevância para nosso país e para o mundo, pretendo fazer um breve relato do que estou vendo por aqui… Não o faço no intuito de agir como jornalista, descrevendo exatamente o que acontece ou ainda relatando todos os diferentes e plurais episódios que aqui se sucedem, mas sim, com a ideia de passar a vocês um pouco do debate que avança sobre o caminho para uma nova economia. Debate este necessário não somente para as gerações porvir, mas também para que tenhamos condições satisfatórias de vida agora.

Vejo este momento como um momento que pode trazer muitas mudanças positivas para Ilhéus e região. Queria que tantos mais de vocês estivessem aqui para visualizar estas oportunidades, para juntar as ideias com outras pessoas que já estão gerando valor através de práticas sustentáveis e querendo se utilizar do meio ambiente de forma construtiva e de reciprocidade. Por isto estou feliz que outras pessoas da região estão aqui, e também me sinto na necessidade de compartilhar com vocês este momento!

Nestes primeiros 3 dias estou participando somente do Fórum de Empreendedorismo Social.


Recomendo que vocês cliquem nos LINKS, leiam as palavras principais e pesquisem, pesquisem muito! Podemos também marcar uma roda de conversa para conversarmos sobre estes temas em Ilhéus (pois dificilmente conseguirei passar toda a emoção deste momento de convergências através de um blog)!

Dia 1 (15/06/2012)

PAINEL 1

Empatia e Cuidado: Paradigmas da Nova Civilização
Painelistas: Leonardo Boff, Bernardo Toro, Anamaria Schindler. Moderadora: Renata Ceribelli.

“Somos frutos do cuidado”

A empatia, capacidade de se colocar na perspectiva do outro, de cuidar do outro, é peça chave para a construção de um novo paradigma econômico.
Devemos abandonar paradigmas relacionados ao medo (êxito, acumulação e poder) e passar a cuidar um dos outros (o que envolve cuidado a si mesmo, cuidado com o próximo e cuidado com aquele que você nem conhece, com o meio ambiente, com a sociedade), em um resgate da razão sensível e emotiva.
Porque o que move as pessoas não são ideias, são paixões e utopias!
Isto altera todo o padrão de educação atual, o qual deve incluir maior cuidado (principalmente por parte dos pais nos primeiros meses de vida, que é o momento no qual a criança desenvolve empatia) e trabalhos colaborativos em grupo em toda a educação formal (do básico até doutorado!).

Um dado interessante apresentado: A Suécia concede licença maternidade de 2 anos, pagando o mesmo salário que a mãe/pai recebia no emprego e assegurando o direito de voltar ao seu emprego, pois isto é comprovadamente mais barato do que manter um sistema assistencialista, psicólgico e carcerário para cuidar destes adultos depois.

O que ler para saber mais sobre o assunto?
Franz Wall – The Age of Empathy
Mary Gordon – Roots of Empathy
Leonardo Boff – Saber Cuidar

Leia mais aqui!

Já já meus vídeos estarão online! 😉

 

PAINEL 2
Diálogos Sustentáveis – Economia Verde.
Painelistas: Armínio Fraga, Tim Jackson e Ricardo Abramovay. Moderador: Silio Boccanera.

Toda a conversa se deu em torno da nova obra publicada de Tim Jackson (Prosperity without Growth – prosperidade sem crescimento), um conselheiro do governo britânico que publicou um relatório econômico afirmando que a nova enomia não deve buscar crescimento e sim PROSPERIDADE. Ricardo Abramovay, professor do centro de Economia da USP, também concorda com Jackson, ao defender que a economia deve existir para uma razão, e não ser uma finalidade financeira em si. Precisamos de mais carros? Precisamos de mais comida? Ou precisamos pensar melhor no nosso bem estar e em políticas redistributivas? Ambos afirmam que há uma obssessão por consumo que é incentivada pelos governos e que isto deve ser alteraod para um sistema que gere Bem Estar e Prosperidade.
Mas a conversa cai um pouco em eco quando chega a Armínio Fraga (ex-presidente do Banco Central) e ele afirma que a economia atual ainda não está pronta para isto, que a prática não é desta forma, que a economia e o crescimento sempre foram muito bons para gerar RIQUEZA (riqueza para quem e com qual custo né?). Ele vê o crescimento com muito otimismo. O que ele vê com pessismismo é o Meio ambiente. (ótimo!)

E você? O que você acha? Precisamos crescer mais economicamente? Em quais áreas precisamos de crescimento? Em quais precisamos retardar? Medimos o crescimento através do PIB… esta é uma boa métrica para mensurar a economia-riqueza-prosperidade de um país?

Para saber mais leia:
Tim Jackson – Prosperity without Growth.
Ricardo Abramovay: Muito Além da Economia Verde.

PAINEL 3
Os desafios e oportunidades para empreendedorismo social: 20 anos após a Eco 92.
Painelistas: Diana Wells, Guilherme Legal e Palema Hartigan. Moderador: Carlos Eduardo Lins da Silva.

Houve um avanço nas questões sociais e em empreendedorismo social apóas a Eco 92, e estas mudanças não foram promovidas por chefes de Estados, mas sim pela própria sociedade civil organizada.
No entanto, uma nova mudança social é necessária, que é a redução dos hábitos de consumo. É o indivíduo enxergando sua compra como um ato político – e o indivídio deve abandonar a hipocrisia existente dentro de nós mesmos (tipo, faça o que eu digo, não faça o que eu faço) e devemos lidar com este medo e hipocrisia – para conseguirmos mudar realmente.
Os painelistas colocaram também que hoje em dia eles vêem um número maior de jovens qualificados que buscam um sentido maior para suas vidas – é crescente o número de jovens frustrados em seguir uma carreira normal e buscam a gratificação do sentido do seu trabalho.
Frases interessantes:
“Todo empreendedor é um empreendedor social e ambiental. O empreendedor não deve nunca se deslocar destes fatores.”
“O dogma do crescimento é um dos grandes aprosionamentos da nossa sociedade”.
“A mudança acontecerá quando houver consistência entre seu comportamento individual e a transformação que você quer causar”.

 

Jantar:
A parte menos importante foi o jantar em si (apesar de ter sido feito pela chef mais reconhecida do Rio de Janeiro), mas todo o restante foi super relevante para mim:

Para começar, o jantar foi servido nesta sala! CAPELA DE LIVROS.

Segundo, o jantar foi oferencido por:
Ashoka
AVINA
Fundação Roberto Marinho

Terceiro: tive a oportunidade de reencontrar diversas organizações relevantes para minha vida (e que são também bastante relevantes para a realidade do Sul da Bahia):

Saúde Criança e Vera Cordeiro;
Aliança Empreendedora e Rodrigo Brito;
CEPAGRO/Rede Ecovida e Charles.

Bem, este foi o final do primeiro dia. Um dia que me fez repensar bastante a economia em que vivemos, meus hábitos pessoais, as mudanças que quero fazer em mim e no ambiente em que vivo. E que me fez ficar maravilhada com as pessoas, as discussões, os potenciais de mudança e a imaginação do modelo de sociedade em que quero viver!