Notícia

“Os candidatos precisam planejar a longo prazo e não apenas ações que durem quatro anos”

14492613_984627184982118_3471998797608163696_n

Foto: Tacila Mendes | Comunicação INI

O último Improviso, Oxente! – encontro de debate e intervenções artísticas – de 2016 abordou o eixo “Do local para o global”, do Programa Cidades Sustentáveis, na noite desta terça (27), na Tenda Teatro Popular de Ilhéus. Este, que foi o décimo segundo encontro, refletiu sobre as ações municipais que provocam impactos globais e teve como painelistas o professor adjunto na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federaldo Paraná (2012), Frederico Neves.

Para ele, os maiores problemas que interferem no cumprimento das metas climáticas no Brasil são desmatamento, energia e a agropecuária (monocultura extensa). “São as cidades que demandam essas emissões, pois são elas que consumem. É importante pensar dos seus estilos de vida”, pontuou.

Durante o encontro, o público contribuiu com sugestões sobre como impactar em âmbito local para atingir as metas de redução do efeito estufa. Considerar as características de Ilhéus como cidade costeira que tem um ecossistema peculiar; o acompanhamento dos indicadores e a implementação de políticas públicas que os considerem; e os impactos positivos que podem uma economia que utiliza outras opções de fontes de energia foram algumas das sugestões levantadas.improviso-logo-copia-copia

“Daqui a poucos dias teremos eleições. O que vemos são candidatos com propostas que pensam apenas no prazo de quatro anos. O que estamos falando aqui, e que precisa ser repensado, é um planejamento a longo prazo, com metas a serem executadas”, pontuou Frederico.

Amanhã (28), também na Tenda, a partir das 19h, os candidatos a prefeito de Ilhéus receberão os indicadores escolhidos pela sociedade civil para serem acompanhados e melhorados a partir de 2017. Os indicadores foram escolhidos ao longo dos 12 Improviso, Oxente!, promovidos pelo Instituto Nossa Ilhéus e pelo Teatro Popular de Ilhéus.

 

Instituto Nossa Ilhéus – Fundado em 09 de março de 2012, o INI é uma iniciativa da sociedade civil organizada, apartidária com o título de OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público.  Busca a aproximação da sociedade civil e do poder público em suas ações, tendo como eixos de atuação a Educação para Cidadania, o Monitoramento Social e o Impacto em Políticas Públicas. Atua no sentido de promover o impacto social que educa e, para isso, promove o monitoramento social, mobilizando e intervindo na realidade política e social do município. O Instituto está aberto a todos que desejem engajar-se em suas atividades. Localiza-se na Rua Eustáquio Bastos, nº 126, 8º andar doEdifício Kauffman, no Centro, em Ilhéus. Acompanhe também a fanpage facebook.com/InstitutoNossaIlheus e o Instagram @nossailheus

 

Teatro Popular de Ilhéus – Fundado há 21 anos, é uma das 15 instituições apoiadas pelo programa Ações Continuadas a Instituições Culturais, iniciativa da Secretaria de Culturado Estado da Bahia (SecultBA) através do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA). O TPI administra a Tenda Teatro Popular de Ilhéus. A programação mensal do espaço cultural pode ser conferida em www.teatropopulardeilheus.com.br, ou pelo aplicativo gratuito Tenda Teatro Popular de Ilhéus, disponível no Google Play.

 

Programa Cidades Sustentáveis – É uma iniciativa de três organizações da sociedade civil – Rede Nossa São Paulo, Rede Social Brasileira por Cidades Justas, Democráticas e Sustentáveis e o Instituto Ethos –, que oferece uma agenda completa de sustentabilidade urbana, um conjunto de indicadores associados a esta agenda e um banco de práticas com casos exemplares nacionais e internacionais como referências a serem perseguidas pelos municípios. Acesse e conheça o Guia da Gestão Pública Sustentávelwww.cidadessustentaveis.org.br/gps. O Instituto Nossa Ilhéus compõe a Secretaria Colegiada da Rede Brasileira por Cidades Justas, Democráticas e Sustentáveis.

 

Confira a galeria de fotos

Leave a Reply